PMN abre processo para expulsar candidato a vereador no RN

O Partido da Mobilização Nacional (PMN) anunciou ontem, dia 30, que abriu processo para expulsar o candidato a vereador em Natal (RN), Jaufran Siqueira. No dia 26, o candidato postou em sua página oficial a imagem de uma casa em chamas, com os dizeres “Isso é o que vai acontecer com as feministas quando Jaufran 33123 for eleito vereador”.

2016-08-31 18_05_12-Ministério Público entra com seis representações contra candidato a vereador de .png
Foto: Reprodução/Tribuna do Norte

A imagem causou revolta nas redes sociais e os usuários da rede passaram a denunciar o candidato na Justiça Eleitoral e na Ouvidoria do TRE/RN (Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte). Segundo o jornal Tribuna do Norte, Jaufran Siqueira foi alvo de 1,8 mil denúncias na Justiça Eleitoral.

Hoje, a Promotoria da Mulher do Ministério Público entrou com seis representações contra o candidato a vereador por desrespeitar a Lei Eleitoral, a Lei Maria da Penha e a Constituição Federal. Os documentos ordenam a retirada imediata das publicações ofensivas e estabelece multa de até R$ 30 mil em caso de descumprimento.

Nas redes sociais, Siqueira anunciou a abertura de processo para sua expulsão do partido, bem como a retirada da imagem pelo próprio Facebook. Em sua declaração, ele se diz perseguido por ser contra a corrupção, nega que tenha incitado o feminicídio, afirma-se cristão e reforça que é contra o feminismo. O candidato diz ainda que é contra o “politicamente correto” e “contra os movimentos autoritários, contrários a vida, a família, a ética e ao respeito da pessoa humana” (sic).

Pardal Eleitoral nas eleições de 2016

No último dia 16 o Tribunal Superior Eleitoral aprovou a instituição, em todo o país, do aplicativo Pardal como instrumento oficial para denúncias de crimes e irregularidades eleitorais por parte da população nas eleições de 2016. O aplicativo foi apresentado no dia 18 e foi pensado para dispositivos móveis (celulares e tablets). As denúncias feitas através do aplicativo chegarão à Justiça Eleitoral e ao Ministério Público (MP).

O aplicativo foi desenvolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES), em 2012, e foi utilizado em alguns estados nas eleições de 2014. A partir deste ano, ele estará disponível em âmbito nacional.

Os TREs têm ainda a opção de permitir denúncias por meio da “Denúncia Online” e de suas Ouvidorias. Em caso de alguma irregularidade, o eleitor fazer a denúncia no TRE do estado onde ocorre a candidatura.

Saiba mais: Plenário aprova resolução que institui o aplicativo Pardal nas Eleições de 2016

 

 

Anúncios

Publicado por

Lígia Benevides

Lígia Benevides é curta-metragista, designer gráfico, produtora cultural e jornalista. Formada em Jornalismo (2006, UFG), com mestrado em Cinema (2012, UBI, Portugal), trabalha desde 2004 na produção audiovisual, com diversos curtas premiados e mostras de cinema produzidas. Trabalha atualmente como editora de vídeos, designer gráfico, social media e cinegrafista, com foco em comunicação institucional nos últimos dois anos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s